Volumen 17 - Número 50

Educação CTS/CTSA ainda é tema para discussão?


Isabel P. Martins

Estamos em maio de 2022, um período histórico cujo desfecho não sabemos ainda como irá terminar. A invasão da Ucrânia pela Rússia, sem uma razão objetiva e justa, criou uma onda de solidariedade em, praticamente, todos os países do ocidente e levanta questões nas crianças e jovens às quais os pais, professores e sociedade em geral tem dificuldade em responder. Será admissível manter um conflito armado e sacrificar tantas pessoas inocentes, património natural e edificado, à custa de tecnologia bélica cada vez mais sofisticada? A tecnologia serve para destruir ou para criar novo conhecimento e contribuir para o bem e progresso da humanidade? No dia em que termino este texto completam-se 90 dias de atrocidades em terras da Ucrânia, um país do leste da Europa, tão perto daquele onde nasci, vivo e trabalho, Portugal.


Financiamiento: este trabalho é financiado por Fundos Portugueses através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do projeto UIDB/00194/2020.

Isabel P. Martins: Universidade de Aveiro, Centro de Investigação Didática e Tecnologia na Formação de Formadores, Portugal. Associação Ibero-americana CTS na Educação em Ciência, AIA-CTS. Correio eletrônico: imartins@ua.pt.


Licencia de Creative Commons
Este artículo está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.