Acerca da CTS

Informação institucional

A partir do primeiro número, publicado em setembro de 2003, a Revista Iberoamericana de Ciencia, Tecnología y Sociedad – CTS mantém o objetivo de alcançar uma melhor articulação entre a ciência e a sociedade nos países da América Latina e a península ibérica, bem como promover o diálogo e iniciar discussões sobre questões importantes relativas ao seu âmbito. A CTS tem uma visão regional e avalia e publica os artigos que recebe sob uma perspectiva plural e interdisciplinar. Ao longo de sua história publicou trabalhos relevantes de pesquisadores ibero-americanos e de outras origens.

A periodicidade da revista é quadrimestral. É publicado um volume por ano e três números por volume, com datas de saída em Março, Julho e Novembro. CTS não cobra nenhuma taxa pela avaliação ou publicação dos artigos enviados à sua Secretaria Editorial.

Além disso, a revista integra um espaço mais amplo de componentes que permitem formas mais diretas de interação com o público leitor. Esse espaço é visível na sua plataforma eletrônica, na qual é possível explorar seções que divulgam artigos deportfólio, teses e documentos de consulta, como também números especiais e colunas de debate, nas quais a comunidade é convidada a participar com comentários e novos textos, numa dinâmica que cresce a partir da riqueza que produzem essas trocas.

CTS é uma revista acadêmica interinstitucional editada pela Organização dos Estados Ibero-Americanos para a Educação, Ciência e Cultura (OEI), a Universidade de Salamanca (Espanha), o Centro REDES (Argentina), a Universidade de Campinas (Brasil) – através do Labjor – e do Instituto Universitário de Lisboa (Portugal). A Secretaria Editorial está a cargo do Observatório Ibero-americano de Ciência, Tecnologia e Sociedade (OCTS) da OEI.

 

Revisão dos artigos

Os artigos acadêmicos publicados no CTS são originais e inéditos e são escritos por autores, a grande maioria dos quais fora das entidades editoras da revista. Os trabalhos são avaliados a partir de um sistema de encaminhamento online que inclui etapas internas e externas.

Depois de passar por uma primeira instância de leitura, desenvolvida dentro do Conselho Editorial para verificar a relevância temática dos artigos e sua aderência às normas de publicação e ao protocolo ético exigido, os textos são encaminhados a avaliadores externos à estrutura da revista, que – sob modalidade double blind review – são os responsáveis ​​pela decisão final sobre sua aprovação ou rejeição.

A emissão do parecer inclui também as fases de correcção – nos casos em que os avaliadores a considerem necessária – que podem conduzir a um novo processo de avaliação pelos próprios avaliadores, ou por terceiros.

CTS publica informações sobre os revisores que colaboram com a revista ano após ano. Essas informações aparecem ao final do último número de cada volume, em lista alfabética e sem relação direta com os artigos avaliados. Acesse a lista mais recente – correspondente ao volume 16 – no link.

Normas para edição de artigos e protocolo ético

As normas para edição de artigos e protocolo ético estão disponíveis aqui. Depois de adaptar o seu artigo ao nosso regulamento, envie-o para secretaria@revistacts.net ou revistacts@gmail.com.

Política de igualdade de gênero

CTS adota e mantém políticas de gênero que promovem a igualdade real entre mulheres e homens.

Pede-se aos autores que evitem preconceitos de gênero que adotam o masculino como referente universal, estimulam a exacerbação das diferenças biológicas e normalizam as distinções socialmente construídas. O uso de uma linguagem que não discrimine, que não reproduza estereótipos machistas e que torne todos os gêneros visíveis deve ser uma preocupação de quem deseja participar de nossa publicação. Para promover um uso mais justo e preciso da linguagem, serão considerados para revisão por pares artigos que evitem expressões discriminatórias e especifiquem gênero quando a situação comunicativa e a mensagem o exigirem para uma correta compreensão.

Além disso, os autores devem considerar a variável gênero em seu trabalho de pesquisa com base nas seguintes ações: fundamentar a composição por gênero das amostras, informar o gênero dos sujeitos investigados, apresentar os resultados desagregados por gênero (desde que fontes originais de informação permitir) e levar em conta na análise as nuances existentes dentro de cada um dos sexos.

Política de acesso aberto e autoarquivo

Desde 2007, CTS proporciona acesso livre, aberto e gratuito a todos seus conteúdos, incluídos o arquivo completo da edição quadrimestral e os diversos produtos apresentados na plataforma eletrônica. Esta decisão é baseada no entendimento de que fornecer acesso livre aos materiais publicados ajuda a ter uma maior e melhor troca de conhecimentos.

Por sua vez, em se tratando da edição quadrimestral, a revista permite aos repositórios institucionais e temáticos, bem como aos sites pessoais, o autoarquivo dos artigos na versão post-print ou versão editorial, logo após a publicação da versão definitiva de cada número e sob a condição de incorporar ao autoarquivo um link direcionado à fonte original.

Licencia de Creative Commons
Todas as edições do CTS e seus artigos individuais estão sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International.

Política de conservação do patrimônio digital

CTS tem o compromisso de preservar seu conteúdo digital a curto, médio e longo prazo; garantir sua autenticidade e incorruptibilidade; manter sua acessibilidade, armazenamento em servidor seguro e boas condições de leitura e download; e exercer controle regular sobre os documentos hospedados em seu site.

Bases de dados

Entre outras bases, a CTS está incluída em: EBSCO (Fuente Académica Plus), European Reference Index for the Humanities and Social Sciences (ERIH PLUS), International Bibliography of the Social Sciences (IBSS), SciELO, Latindex, Catálogo Latindex 2.0, Redalyc, Dialnet, Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico (REDIB), Sello de Calidad de Revistas Científicas Españolas de la Fundación Española para la Ciencia y la Tecnología (FECYT) e Núcleo Básico de Revistas Científicas Argentinas.


           

Equipe de trabalho

Direção Editorial

A Direção Editorial é feita em regime de rodízio, durante dois anos, por um membro de uma das instituições co-editoras. Neste exercício, Ana Cuevas Badallo, da Universidade de Salamanca, é a principal representante do CTS.

Ana Cuevas Badallo (Espanha)
Doutora em filosofia pela Universidade do País Basco, especialista na área da filosofia da ciência e tecnologia e em cultura tecnológica. Professor e diretora do Departamento de Filosofia, Lógica e Estética da Universidade de Salamanca.
Conselho Editorial

Dirigido pelo diretor ou diretora responsável, o Conselho Editorial delibera sobre as nomeações e atividades desenvolvidas pela Secretaria Editorial e pelos membros do Comité Consultivo. É responsável pela delegação de tarefas dentro da revista. Supervisiona as atividades relacionadas com a atribuição de avaliações, a aplicação a bases de dados e a manutenção integral da qualidade da publicação. Em última instância, é responsável pela publicação ou rejeição de um manuscrito.

Mario Albornoz (Argentina)
Pesquisador principal do CONICET, especialista em ciência, tecnologia e ensino superior. Professor de filosofia. Integrou o Gabinete de Estudos do Conselho Superior de Investigação Científica da Espanha, país para o qual emigrou por motivos políticos (1976-1984). Diretor dos Centros Regionais do CONICET em 1985 e Secretário de Ciência e Tecnologia da Universidade de Buenos Aires (UBA) (1986 e 1994). Diretor do Instituto de Estudos Sociais de Ciência e Tecnologia (IEC) da Universidade Nacional de Quilmes (1996-2002). Foi membro da Comissão Consultiva Nacional para a Melhoria da Qualidade do Ensino Superior (2001). Coordenou a Rede Ibero-americana de Indicadores de Ciência e Tecnologia (RICYT) desde sua criação em 1995 a 2013 e o Observatório Ibero-americano de Ciência, Tecnologia e Sociedade da OEI em 2008 a 2021. Foi diretor do Centro REDES (2002-2007) e do Programa de Mestrado em Gestão da Ciência, Tecnologia e Inovação da Universidade General Sarmiento Nacional (UNGS). Foi diretor do Centro Argentino de Informação Científica e Tecnológica (2004-2009). Obteve a distinção Pense em Espanhol (OEI, 2007) e a Cruz Oficial da Ordem de Isabel la Católica (Reino de Espanha, 2008).
Marta Isabel González García (Espanha)
Doutora em filosofia pela Universidade de Oviedo e licenciada em psicologia pela mesma universidade. Foi pesquisadora da Universidade Técnica de Budapeste, da Universidade de Minnesota, da Universidade Complutense de Madrid e do Instituto de Filosofia do CSIC, além de professora de história da ciência na Universidade Carlos III de Madri. Atualmente é professora titular do Departamento de Filosofia da Universidade de Oviedo e cientista titular licenciada do Instituto de Filosofia do CSIC. Suas principais áreas de pesquisa são estudos de ciência e tecnologia, compreensão pública da ciência e da cultura científica e gênero e ciência.
José Antonio López Cerezo (Espanha)
Bolsista de pós-doutorado e pesquisador visitante no Ministério da Educação da Finlândia na Universidade de Helsinque (1985-1987). Pesquisador visitante na Pennsylvania State University (1991 e 1993) e na Technical University of Budapest (1994 e 1998), e professor visitante na University of Havana (1996, 2010) e no Lisbon University Institute (2014). Desde 2006 é professor de lógica e filosofia da ciência no Departamento de Filosofia da Universidade de Oviedo. Sua especialidade são os estudos sociais da ciência e tecnologia.
Miguel Ángel Quintanilla (Espanha)
Fundador do Instituto de Estudos da Ciência e da Tecnologia. Catedrático emérito de lógica e filosofia da ciência na Universidade de Salamanca, Espanha. Suas linhas prioritárias de pesquisa são a filosofia da ciência e da técnica, os estudos sociais de ciência e tecnologia, a cultura científica, a comunicação pública da ciência, as políticas científicas e tecnológicas. Entre suas obras destacam-se: Tecnologia: Un enfoque filosófico, FUNDESCO, Madri, 1988 (Prêmio Fundesco de Ensaio); La utopía racional (em colaboração com Ramón Vargas-Machuca), Espasa Calpe, Madri, 1989 (Prêmio Espasa Manhana de Ensaio); Ciência, tecnologia y Sociedad (em colaboração com J. M. Sánchez Ron), Santillana, Madri, 1997; Cultura tecnológica: estudios de ciencia, tecnología y sociedad (em colaboração com Eduardo Aibar), Barcelona, ICE, Universidade de Barcelona, 2002; e Filosofía ciudadana, Trotta, Madrid, 2020. Fundador do grupo EPOC (Estudos de Política Científica: 1989-91). Foi membro do Comitê da Federação Internacional de Sociedades de Filosofia e do Comitê Científico do XXI Congresso Internacional de Filosofia (Istambul, 2003) e XXII (Seul, 2008). É membro do Institut International de Philosophie. De 1982 a 1989 foi senador nas cortes espanholas. Foi vice-presidente primeiro da comissão de educação do Senado, palestrante da Lei da Ciência (1986) e presidente da Comissão Mista Congresso-Senado de Pesquisa Científica e Desenvolvimento Tecnológico. Foi secretário geral do Conselho de Universidades (1991-1995) e Secretário de Estado de Universidades e Pesquisa (2006-2008). Recebeu a Grande Cruz da Ordem do Mérito Civil, outorgada pelo Conselho de Ministros, e a Grande Cruz da Ordem Civil de Alfonso X, O Sábio, outorgada pelo Ministério da Educação (2008).
Maria de Lurdes Rodrigues (Portugal)
Doutorado (1996) e agregação (2003) em sociologia. Ela é professora e pesquisadora do ISCTE-IUL, Departamento de Ciência Política e Políticas Públicas. Realiza atividades de investigação em políticas públicas de educação, de ciência e de ensino superior, sociologia das profissões, análise de políticas públicas.
Carlos Vogt (Brasil)
Poeta e linguista, é graduado em teoria da literatura e literatura comparada pela Universidade de São Paulo (USP), mestre em linguística geral e estilística do francês, pela Universidade de Besançon, na França, e doutor em ciência pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Recebeu em 2005 a comenda da Ordem do Mérito Científico, da Presidência da República do Brasil, e o título de doutor honoris causa da École Normale Supérieure de Lyon, na França. Desde setembro de 2011, ocupa a cadeira 23 da Academia Campinense de Letras. É professor emérito da Unicamp e coordenador do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) dessa universidade, da qual foi reitor no período de 1990 a 1994. Publicou livros, vários deles de poemas, e inúmeros artigos e ensaios em jornais, revistas e em órgãos especializados nacionais e internacionais. É coordenador geral de publicação da revista de divulgação científica ComCiência, editor-chefe da Ciência e Cultura, revista da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), de 2002 a 2007, e novamente de 2017 a 2021 e da revista Inovação, de 2006 a 2007. Foi diretor de redação da revista Pré-Univesp, de 2012 a 2016, e coordenador cultural da Fundação Conrado Wessel (FCW) de 2007 a 2017. Foi presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), de 2002 a 2007, secretário de Ensino Superior do Estado de São Paulo, entre 2007 e 2010, e fundador e presidente da Fundação Universidade Virtual do Estado de São Paulo (Univesp), de 2012 a 2016. Foi também presidente do Conselho Científico e Cultural do Instituto de Estudos Avançados, da Unicamp (IdEA), de 2018 a 2021. Em 2020 recebeu o título de pesquisador emérito do CNPq.
Secretaria Editorial

As funções da Secretaria Editorial incluem o planejamento do conteúdo da publicação, a assistência aos autores em termos de estilo e formato, a gestão do conteúdo do site web, o controle sobre os processos de avaliação e a comunicação com os autores. A Secretaria Editorial também é responsável pela localização e a manutenção das bases de indexação e da emissão de certificados. Sua função corresponde à Direção Editorial.

Manuel Crespo (Argentina)
Membro da equipe de trabalho do Observatório Ibero-americano de Ciência, Tecnologia e Sociedade da OEI. Bacharel em comunicação social (Universidade Austral) e mestre em jornalismo (La Nación – Universidade Di Tella).
Comité Consultivo

Os membros do Comitê Consultivo são nomeados pelo Conselho Editorial, que também tem o poder de revogar sua nomeação. CTS tem um corpo de 29 especialistas internacionais de 11 países ibero-americanos. Suas principais funções são apoiar o Conselho Editorial e a Secretaria Editorial na definição dos conteúdos, orientar a submissão de manuscritos, supervisionar os processos de avaliação e colaborar na elaboração de monográficos.

Norma Blazquez Graf (México)
Psicóloga, mestre em ciências, especialização em gênero e doutora em filosofia. A sua formação académica permitiu-lhe abordar, a partir de uma abordagem interdisciplinar, a análise da ciência através da sua principal linha de investigação -ciência, tecnologia e género-, que liga a teoria feminista aos estudos filosóficos, históricos e sociais da ciência e tecnologia, nos quais publicou artigos, capítulos e livros. É pesquisadora sênior do Centro de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências e Humanidades (CEIICH) da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM), onde foi secretária e diretora acadêmica. Na área do ensino, concebeu e coordenou seminários, cursos de licenciatura e cursos de pós-graduação, dirigiu teses de licenciatura, mestrado e doutoramento na UNAM, bem como em outras instituições nacionais e estrangeiras. É membro da Academia Mexicana de Ciências e do Sistema Nacional de Pesquisadores. Coordena o Grupo México da Rede Ibero-Americana de Ciência, Tecnologia e Gênero e é a coordenadora fundadora da Rede Mexicana de Ciência, Tecnologia e Gênero.
Fernando Broncano (Espanha)
Doutor em filosofia, catedrático de filosofia da ciência, Universidade Carlos III de Madri. Seu campo geral de trabalho é a noção de racionalidade, tanto nos aspectos teóricos quanto nos epistémicos e nos práticos. Em relação aos aspectos epistémicos, ele trabalhou nos problemas da racionalidade na ciência, nos seus aspectos cognitivos e na racionalidade das comunidades científicas. Em relação aos aspectos práticos, trabalhou na filosofia da técnica. Entre seus livros estão: Mundos artificiales (Paidós, 2000), Saber en condiciones (Antonio Machado, 2003), Entre ingenieros y ciudadanos (Montesinos, 2006), La melancolía del ciborg (Herder, 2009), La estrategia del simbionte (Delirio Editorial, 2012), Sujetos en la niebla (Herder, 2013) e Russell, conocimiento y felicidad (Filosofia El País, 2015), entre outros.
Rosalba Casas (México)
Bacharel em sociologia pela UNAM, México, com as seguintes pós-graduações: MSc em história e sociopolítica da ciência, Universidade de Montréal, e DPhil em políticas de ciência e tecnologia, Universidade de Sussex. Sua principal disciplina é a sociologia, com especialidade em sociologia da ciência e da tecnologia. Atualmente é pesquisadora titular em pesquisas sociais da UNAM.
María de los Ángeles Erazo Pesántez (Equador)
Atua como consultora, palestrante, professora e pesquisadora. Ela começou combinando sua paixão pela física e matemática com o jornalismo investigativo no Equador. Estudou na Universidade Nacional Autônoma do México: diploma em estudos filosóficos e sociais da ciência e tecnologia, 2002, e diploma em popularização da ciência, 2000-2001. Também concluiu o mestrado em ciência, tecnologia e sociedade pela Universidade de Salamanca (USAL), Espanha, em 2003. Em 2008, obteve o mestrado em antropologia médica pela Universidade de Amsterdã, na Holanda. Na Universitat Oberta de Catalunya (UOC), aprendeu a pesquisar, gerenciar e projetar estratégias em redes sociais, além de ter obtido o mestrado universitário em educação e TIC (e-learning) em 2021.
Javier Echeverría (Espanha)
Bacharel em filosofia (1970) e bacharel em matemáticas (1970) pela Universidade Complutense de Madri. Doutor em filosofia por essa mesma universidade (1980) e docteur d’Etat-ès-Lettres et Sciences Humaines pela Universidade Paris I (1980). Foi catedrático de lógica e filosofia da ciência na Universidade do País Vasco e professor de pesquisa no Instituto de Filosofia do CSIC (Madri). Na atualidade é professor de pesquisa Ikerbasque no Departamento de Sociologia 2 (Universidade do País Vasco).
Anna Estany (Espanha)
Professora emérita de filosofia da ciência na Autonomous Universidade de Barcelona, ​​Master of Arts na Indiana University (Estados Unidos) e PhD pela Universidade de Barcelona. Ela tem sido professora visitante na Universidade da Califórnia (San Diego), na École Normale Supérieure e no Institut d’Histoire et de Philosophie des Sciences et des Techniques em Paris. Suas linhas de pesquisa são modelos de mudança científica, abordagem cognitiva em filosofia da ciência e tecnologia, filosofia das ciências do design, democratização do conhecimento teórico e prático e filosofia da medicina. Entre suas obras mais representativas estão Modelos de Mudança Científica (1990), Vida, Morte e Ressurreição da Consciência (1999), em coautoria com D. Casacuberta ¿Eureka? o pano de fundo de uma descoberta sobre câncer e genética molecular (2003), em coautoria com Rosa M. Herrera Inovação em conhecimentos teóricos e práticos (2016), em coordenação com Ángel Puyol Filosofia da epidemiologia social (2016), em coordenação com Mario Gensollen Democracia y energía (2019), editora com J. Vallverdú e A. Puyol de Debates filosóficos e metodológicos em saúde pública (2019).
María Elina Estébanez (Argentina)
Sociologa e mestre em política e gestão da ciência e tecnologia (Universidade de Buenos Aires). Ela estudou os processos de ligação e transferência entre ciência e sociedade; ciência universitária e seus sistemas de P&D; e o impacto social das IST. Ela se especializou na aplicação de uma abordagem de gênero em sua pesquisa e no desenho de indicadores de CTI não tradicionais. Publicou mais de 70 artigos, relatórios, capítulos de livros e outros documentos sobre temas de sua especialidade. Preside a Associação Civil do Grupo Redes e é pesquisadora sênior na Área CTS do Centro REDES, de onde é coordenado o projeto regional latino-americano “Fluxos de conhecimento em contextos pandêmicos”. Dirige a cátedra de Sociologia da Ciência da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Buenos Aires e dirige o projeto «Sociologia da produção, difusão, uso e apropriação do conhecimento em problemas de interesse público na Argentina contemporânea». Como consultora em assuntos de sua especialidade, trabalhou para o OEI (Manual de Valência), o British Council, o Technopolis Consultant (UE), a UNESCO e o BID. Prestou assessoria a agências governamentais na Argentina (Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação e agências provinciais de ciência e tecnologia) e outros países da região.
Noemí Girbal-Blacha (Argentina)
Professora e doutora em história, Universidade Nacional de La Plata. Pesquisadora sênior emérita do Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (CONICET). Professora emérita da Universidade Nacional de Quilmes (UNQ). Especialista em história agrária argentina. Autora de 24 livros e cento e meio artigos em periódicos nacionais e internacionais de reconhecido nível científico. Presidente da Associação Argentina de História Econômica (1996-2001). Diretora do CONICET de Ciências Sociais e Humanas (2001-2008). Vice-presidente de Assuntos Científicos do CONICET (2008-2010). Doutora honorária das Universidades de Pau (França, 2007), Nacional de San Juan (2014) e da Universidade Nacional de Misiones (UNaM) (2017). Prêmio de Pesquisa da Nação Argentina pela Carreira Científica (MINCYT, 2011). Perito da OEI. Membro da Academia Nacional de História. Diretora da Coleção Convergência da Editora UNQ.
Regina Gusmão (Brasil)
Honorary senior research associate no Science, Technology, Engineering and Public Policy Centre da University College London (UCL), entre 2015-2016. Realizou mestrado e doutorado em política científica e tecnológica na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e no Centre Science, Technologie et Société do Conservatoire National des Arts et Métiers (CNAM), França, respectivamente. A tese de doutorado foi conduzida com o suporte do Observatoire des Sciences et des Techniques (OST), Paris, onde desenvolveu atividades de pesquisa e de gerenciamento de projetos durante quase 10 anos. Graduada em administraçãopública pela Fundação Getúlio Vargas e Bacharel em Direito pela Universidade de São Paulo (USP), possui ampla experiência profissional e de pesquisa em órgãos do sistema nacional de ciência, tecnologia e inovação, com destaque para o Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, em Brasília. De 2009 a 2019, atuou como servidora federal vinculada ao Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações, onde desempenhou funções de coordenação e assessoramento no cargo de analista senior em ciência e tecnologia. Ao longo de sua trajetória acadêmica e profissional consolidou sua especialização na área de monitoramento e avaliação de políticas e programas de ciência, tecnologia e inovação (CT&I), com destaque para produção e difusão de indicadores de CT&I. Neste campo, é membro de redes internacionais de especialistas, patrocinadas por organismos de cooperação multilateral como OCDE, OEI e UNESCO.
Hernán Jaramillo Salazar (Colômbia)
Economista com experiência nacional e internacional, publicações e gestão por mais de 30 anos no campo da economia do conhecimento e da inovação. Professor honorário da Faculdade de Economia da Universidade do Rosário, Bogotá, Colômbia. Assessor do reitor da mesma universidade nos temas de ciência, tecnologia e inovação.
Diego Lawler (Argentina)
Doutor em filosofia (Universidade de Salamanca), mestre em ciência, tecnologia e sociedade (Universidade de Salamanca), MA em filosofia (Universidade de Sussex). Pesquisador independente do CONICET, Argentina. Instituto de Investigações Filosóficas Sociedade Argentina de Análise Filosófico (unidade associada ao CONICET). Temas de trabalho: filosofia da ciência e da tecnologia, epistemologia, filosofia da mente, filosofia da ação e relações internacionais.
Santiago M. López (Espanha)
Diretor do Instituto de Estudos Sociais de Ciência e Tecnologia da Universidade de Salamanca. Presidente da Associação Espanhola de História Econômica e membro da Unidade de Pesquisa Consolidada 333 da Comunidade de Castilla y León. Já trabalhou na realização de histórias de negócios: Red Eléctrica de España, Iberdrola, Hispano-Suiza, Nestlé, CASA e ENUSA. Tem colaborado nos projetos BUCUM-TEMPUS da Comissão Europeia, Avaliação de Serviços Ecossistêmicos, Cultura Financeira na Espanha, Intercâmbio e Transferência de Conhecimento na Universidade, e é o IP do projeto «Desigualdade Econômica e Inovação», Ministério da Economia e Competitividade. Últimas publicações: Os efeitos da Covid-19 em nossa cultura científica: rumo a um pacto social e estatal pela ciência e inovação (Fundación Alternativas) e Covid-19 na situação da economia do gig (UNAM).
José Luis Luján (Espanha)
Catedrático de lógica e filosofia da ciência na Universitat de les Illes Balears. Ele é doutor em filosofia pela Universidade de Valença e foi pesquisador no Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC).
Marta Macho-Stadler (Espanha)
Professora da Universidade do País Basco (UPV/EHU). Doutora em matemática pela Universidade Claude Bernard de Lyon (França). Especialista em topologia. Grande parte de seus esforços, e em diferentes formatos, visa à divulgação da matemática e à visibilidade de mulheres que contribuíram e continuam contribuindo para o avanço da ciência. É editora do blog “Mujeres con Ciencia” da Cátedra de Cultura Científica da UPV/EHU.
Bruno Maltrás Barba (Espanha)
Bacharel e doutor em filosofia, Universidade de Salamanca. Áreas: filosofia da ciência e da tecnologia, estudos sociais da ciência e da tecnologia, análises quantitativos da ciência e da tecnologia. Atualmente ele é professor no Departamento de Filosofia, Lógica e Estética da Universidade de Salamanca e pesquisador no Instituto ECyT, dessa mesma universidade. Especialista da Fundação COTEC.
Isabel P. Martins (Portugal)
Professora (aposentada) da Universidade de Aveiro, Departamento de Educação e Psicologia, e membro do Centro de Investigação em Didática e Tecnologia na Formação de Formadores (CIDTFF). É presidente da Associação Ibero-americana CTS de Educação Científica desde 2012. Foi vice-reitora da Universidade de Aveiro (para licenciados e assuntos científicos) (2004-2010) e coordenadora do CIDTFF (2008-2012). Dirigiu projetos de desenvolvimento curricular e formação de professores em Timor-Leste, no âmbito da cooperação Portugal-Timor-Leste. Coordena projetos de pesquisa financiados, avalia revistas científicas e organiza conferências nacionais e internacionais. Consultora do Ministério da Educação de Portugal e autora de programas de química para o ensino secundário. Suas áreas de ensino e pesquisa são: didática das ciências, educação CTS, ensino experimental das ciências, formação de professores e desenvolvimento curricular. Produção científica disponível aqui.
Emilio Muñoz Ruiz (Espanha)
Professor de pesquisa ad honorem do CSIC. Ele é bacharel e doutor em farmácia pela Universidade Complutense de Madri (1960 e 1964). Foi presidente do CSIC, secretário do Plano Nacional de I+D, presidente da Associação Interuniversitária Europeia sobre Sociedade, Ciência e Tecnologia (ESST) e presidente do Gabinete de Biotecnologia (GABIOTEC) da Fundação CEFI. É membro da Organização Europeia de Biologia Molecular (EMBO), da Academia Sueca de Ciências da Engenharia (área de biotecnologia) e membro correspondente da Real Academia de Farmácia. Possui condecorações dos governos das Repúblicas da Itália e da França; é membro da Ordem Civil de Afonso X, O Sábio, na categoria de Encomenda com Placa. É autor de várias centenas de artigos no campo da bioquímica e da biotecnologia, e sua relação com os aspectos sociais e económicos, bem como com a política científica e tecnológica.
Jorge Núñez Jover (Cuba)
Bacharel em química em 1973 e doutor em filosofia em 1993. Professor titular da Universidade de La Habana. Coordenador da cátedra cubana de estudos sociais da ciência, da tecnologia e da inovação. Ele é membro a título individual do Conselho Superior de FLACSO.
Simone Pallone (Brasil)
Jornalista, formada pela PUC Campinas, especialista em jornalismo científico pelo Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor), mestre e doutora em política científica e tecnológica, pelo Departamento de Política Científica e Tecnológica do Instituto de Geociências da Unicamp. Desde 2003 é pesquisadora do Labjor, do Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade (Unicamp). Professora nos cursos de especialização em jornalismo científico e mestrado em divulgação científica e cultural, ambos ligados ao Labjor. Coordenadora do podcast de ciência «Oxigênio». É diretora editorial do Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo e membro do Conselho Consultivo da Associação Brasileira do Ensino do Jornalismo. Temas de interesse: comunicação científica; percepção pública de ciência e tecnologia; relações universidade e sociedade; jornalismo e podcast.
Eulalia Pérez Sedeño (Espanha)
Doutora em historia e filosofia da ciência. Ela é professora de pesquisa em ciência, tecnologia e gênero, e diretora do Departamento de Ciência, Tecnologia e Sociedade do Instituto de Filosofia do CSIC (Espanha). É coordenadora da Rede Ibero-americana de Ciência, Tecnologia e Gênero (RICTYGCYTED), na que participam mais de 100 pesquisadoras de 10 países.
Carmelo Polino (Argentina)
Doutor pela Universidade de Oviedo (Espanha) e mestre em estudos sociais da ciência pela mesma universidade. Ele é mestre em comunicação e cultura da ciência e da tecnologia pela Universidade de Salamanca (Espanha) e mestre em ciência, tecnologia e sociedade pela Universidade Nacional de Quilmes (Argentina). Pesquisador do Centro Redes (Argentina). Pesquisador associado ao Observatório Ibero-americano da Ciência, da Tecnologia e da Sociedade da OEI, e à Rede de Indicadores de Ciência e Tecnologia (RICYT). Seus temas de pesquisa estão relacionados com a sociologia da comunicação da ciência, a percepção social da ciência e da cultura científica. Sobre esses temas ele também coordenou projetos de pesquisa no plano nacional e ibero-americano (entre eles, dirigiu as três pesquisas nacionais de percepção da Argentina), como também publicou livros, capítulos de livros e artigos em revistas científicas.
Fernando Porta (Argentina)
Bacharel em economia política (UBA, 1970), com estudos de pós-graduação em economia internacional (Universidade de Sussex, 1980). Ele é professor e pesquisador titular da Universidade Nacional de Quilmes (UNQ) e da Universidade de Buenos Aires (UBA), diretor do doutorado em desenvolvimento econômico da UNQ, Diretor acadêmico do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre Ciência, Tecnologia e Inovação (CIECTI), e membro do Comitê Editorial da revista Desarrollo Económico.
Ana Romero de Pablos (Espanha)
Cientista titular do Instituto de Filosofia do Conselho Superior de Investigação Científica (CSIC), Espanha. É licenciada em história e doutora em filosofia pela Universidade Autónoma de Madrid. Seus trabalhos são desenvolvidos no campo dos estudos históricos e culturais da ciência e tecnologia no século XX, e o interesse pela cultura material da ciência e tecnologia e questões de ciência e gênero estão muito presentes neles.
Francisco Sagasti (Peru)
Professor da Escola de Graduados da Universidade do Pacífico em Lima, e pesquisador principal emérito do Fórum Nacional Internacional, entidade fundada por ele e da qual foi diretor executivo. Membro do Conselho Consultivo da Fundação Lemelson em Portland, Estados Unidos, que apoia a invenção e a inovação. Formou-se como engenheiro industrial na Universidade Nacional de Engenharia, Lima. Obteve o mestrado (MSc) em engenharia industrial na Pennsylvania State University e o doutorado (PhD) em pesquisa operacional e ciências de sistemas sociais na Universidade de Pensilvânia. Ele é autor de inúmeros artigos acadêmicos e livros sobre temas de desenvolvimento, democracia, ciência e tecnologia.
José Manuel Sánchez Ron (Espanha)
Bacharel em ciências físicas pela Universidade Complutense de Madri (1971) e doutor em física pela Universidade de Londres (1978). Desde 1994 ele é catedrático de historia da ciência no Departamento de Física Teórica da Universidade Autônoma de Madri, tendo sido anteriormente (entre 1983 e 1994) professor adjunto, primeiro, e titular, depois, de física teórica na mesma universidade. Em março de 2003 ele foi eleito membro da Real Academia Espanhola, na qual leu o seu discurso de ingresso (“Elogio da miscigenação: história, linguagem e ciência”) no dia 19 de outubro de 2003. Nessa instituição ocupa a cadeira “G” e, a partir de janeiro de 2016, tem o cargo de vice-diretor. Em dezembro de 2006 foi eleito acadêmico correspondente da Real Academia de Ciências Exatas, Físicas e Naturais de Madri e, em 2006, foi eleito membro correspondente da Académie Internationale d’Histoire des Sciences de Paris, da qual passou a ser acadêmico de pleno direito (membre effectif) em 2015. No ano de 2001 recebeu o Prêmio José Ortega y Gasset de Ensaio e Humanidades da Vila de Madri por seu libro El Siglo de la Ciencia (Taurus, 2000). Em 2004 recebeu o Prisma da Casa das Ciências de La Coruña pelo melhor artigo de divulgação científica publicado em 2003, pelo seu artigo: “Para que a ciência?”, publicado em El País. Em 2011 recebeu o Prêmio Internacional de Ensaio Jovellanos por seu manuscrito A Nova Ilustração: ciência, tecnologia e humanidades num mundo interdisciplinar, publicado posteriormente (Edições Nobel, 2011), e em 2016 recebeu o Prêmio Nacional de Ensaio por seu livro El mundo después de la revolución. La física de la segunda mitad del siglo XX (Pasado & Presente, 2015). Ele é autor de mais de 400 publicações, das quais 45 são livros.
María Teresa Santander (Chile)
Professora titular, doutora em filosofia e ciências da educação, graduada em ciências da engenharia e engenheira civil industrial. Acadêmica do Departamento de Engenharia Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade de Santiago do Chile (Usach). Atualmente é secretária acadêmica da Faculdade de Engenharia. Sua pesquisa está inserida nos estudos de ciência, tecnologia e sociedade (CTS), com foco no fenômeno tecnológico e técnico e na relação entre engenharia e sociedade. Da mesma forma, de uma perspectiva sistêmica, ela investigou metodologias de aprendizagem e habilidades informacionais em engenharia considerando os desafios STEM. Ela avaliou, editou e compilou livros, bem como escreveu artigos e capítulos de livros.
Judith Sutz (Uruguai)
Engenheira eletricista, Universidade Central de Venezuela, 1979. Mestrado em planejamento do desenvolvimento, menção ciência e tecnologia, Universidade Central de Venezuela, 1981. Doutorado em socioeconomia do desenvolvimento, menção economia, Université de Paris-Sorbonne, 1984. Área de trabalho: ciência, tecnologia, sociedade, inovação e desenvolvimento. Linhas principais: universidades para o desenvolvimento, inovação e desigualdade em países subdesenvolvidos, avaliação acadêmica. Afiliação institucional: coordenadora acadêmica, Comissão Setorial de Pesquisa Científica, Universidade da República, Uruguai.
Jesús Vega Encabo (Espanha)
Doutor em filosofia pela Universidade de Salamanca. Atualmente é catedrático de lógica e filosofia da ciência na Universidade Autônoma de Madri. Seus interesses pela pesquisa estão encaminhados principalmente para problemas epistemológicos e para a análise das diversas culturas epistêmicas. Ele também se especializou em filosofia da mente, filosofia da ciência e filosofia da tecnologia, nesta última dirigiu vários projetos sobre práticas científicas e artefatos.
Judith Zubieta García (México)
Doutora em Sistemas pela Universidade da Pensilvânia, Estados Unidos. Ela é pesquisadora C no Instituto de Pesquisa Social da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM) e membro do Sistema Nacional de Pesquisadores do México e da Academia Mexicana de Ciências. A sua actividade docente inclui os programas de licenciatura, mestrado e doutoramento, nos quais ministra cursos e orienta um número significativo de teses. Ela publicou numerosos artigos de pesquisa, livros, capítulos de livros e artigos populares sobre temas relacionados à educação mediada pela tecnologia e sistemas de ciência, tecnologia e inovação, a partir de uma perspectiva de gênero e políticas públicas. Entre outros cargos de gestão dentro da UNAM, ela atuou como chefe da Coordenação de Universidade Aberta e Educação a Distância (2012-2015) e atualmente atua como secretária acadêmica do Programa Universitário de Estudos de Ensino Superior. Em 2019, ela foi novamente eleita vice-presidente da Sociedade Mexicana de Matemática para o período 2020-2022.